O golpe depois do pingo

Já tínhamos indicações de que não é confiável fazer acordo com os governistas. Hoje, tivemos a certeza.

Na semana passada, o governo queria aprovar, sem discursão e com urgência (mais uma vez), os projetos que regulamentava concessão de benefícios por invalidez e a redução de ISS para alguns setores econômicos locais. Com isso, aconteceu uma reunião do líder Genilson Alves com a bancada de oposição.

Avançar e ceder faz parte do parlamento. É do jogo democrático.

Então, mesmo criticando a pressa e a forma como os projetos estavam tramitando, concordamos em não criar dificuldade e aceitar suspensão de prazos e discussões.

Com isso, ficou acordado que o líder da situação trabalharia a retirada do indecente projeto de resolução apresentado pelo vereador Lucas da Malhas, a mando do governismo, por meio do qual querem elevar o número mínimo de assinaturas necessárias para apresentação de projeto de urgência e destaques ao orçamento, reduzindo bastante o espaço de atuação da oposição e, especialmente, livrando os governistas de enfrentarem o debate no plenário, para explicar a desaprovação de interesse da comunidade mossoroense.

Contudo, o vereador Raério Cabeção, membro da renomada Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Mossoró, na condição de relator do Projeto de Resolução que altera o Regimento Interno da Casa, apresentou relatório e voto favorável à aprovação do referido projeto.

Com a atitude do relator Raério Cabeção, o governismo rompeu o acordo firmado.

Na sessão de amanhã, terça-feira, 07/06/2022, vai ter debate e, pelo sentimento que percebo nos demais colegas de oposição, também vai ter reação à altura.

Texto do Vereador Francisco Carlos (Avante) em suas redes sociais.

2 comentários sobre “O golpe depois do pingo

  1. O povo é qm perde com a briga entre eles.
    Que assessoria hein?
    Que grupinho de golpistas tem nessa CMM.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao Topo