Petrobrás não irá “segurar preços”, diz presidente da estatal

O presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, reiterou nesta quinta-feira, 3, que a companhia não pode e não irá segurar o preço dos combustíveis de forma artificial.

As declarações foram dadas durante participação em um seminário on-line promovido pelo Credit Suisse.

“A gente tem visto que isso tem sido entendido, que não seja a Petrobras a segurar preços. Trabalhamos em cima da legalidade, temos de praticar preços de mercado”, afirmou o presidente da estatal.

“Sabemos do prejuízo que é tentar segurar preços de forma artificial. Primeiro, vamos perder muitos investimentos, dificultar importação”, completou Silva e Luna.

De acordo com o comandante da Petrobras, ao segurar preços artificialmente, a empresa dificultaria a importação de combustíveis, o que poderia causar desabastecimento no mercado interno. “A Petrobras não pode fazer políticas públicas”, afirmou o general.

Em outubro do ano passado, em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, Silva e Luna já havia deixado claro que não há possibilidade de nenhuma interferência na política de preços da companhia. Na ocasião, ele citou os desarranjos na economia durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

“Considerando a participação de 37%, direta e indireta, da União Federal (incluindo o BNDES), faz sentido a frase que diz que ‘a Petrobras é um patrimônio de todos os brasileiros’. E porque todo brasileiro é dono da Petrobras, nenhum de nós gostaria de voltar a ver a empresa em apuros financeiros, como ocorreu em 2015”, escreveu o presidente da estatal no artigo.

“O cumprimento das leis e regras vigentes assegura o retorno adequado de seus bons investimentos e a saúde necessária para continuar investindo. Qualquer caminho diverso do legalmente previsto é uma ameaça ao futuro da empresa”, alertou o general. “Em pouco tempo não haveria nem preços mais baixos, tampouco a riqueza e os empregos que a Petrobras gera hoje para a sociedade. A prática de preços alinhados a mercados competitivos é, portanto, mais que uma questão de escolha, é uma obrigação legal e uma questão de sobrevivência.”

Revista Oeste

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Voltar ao Topo